19set
Em: 19/09/2018

Idealizador do programa que já recuperou 8.290 nascentes e incentivou ao produtor a plantar de forma consciente, Christino Áureo quer atrair recursos federais para o programa Rio Rural, visando a produção sustentável

O Brasil está sediando a III Conferência Internacional Agricultura e Alimentação em uma Sociedade Urbanizada, evento que ocorre no Rio Grande do Sul e revela novos desafios para a produção sustentável no planeta. A Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu metas para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030 e, para serem cumpridas, é preciso promover uma verdadeira transformação dos sistemas agroalimentares. O evento, que se estende até sexta-feira (21) na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, está debatendo o tema que é caro ao deputado Christino Áureo.
Idealizador do programa Rio Rural, que já investiu R$ 600 milhões na produção sustentável em 78 municípios do Rio de Janeiro, Christino quer ampliar o programa e trazer recursos federais para colaborar com a iniciativa.

– Não podemos deixar que um programa como o Rio Rural seja encerrado enquanto o mundo todo estuda formas de produzir com mais respeito ao planeta. Pesquisadores do Mundo todo já concordam que é preciso pensar em mecanismos políticos que reafirmem a nova forma de produzir, com mais respeito ao meio ambiente. No Rio, implantamos este programa de sucesso que foi recentemente reconhecido pela FAO, Organização das Nações Unidas para a Agricultura, como uma das melhores iniciativas de produção sustentável. Em Brasília, ao conquistar uma cadeira no congresso nacional, quero levar essa pauta para discussão e trazer mais recursos para os nossos produtores – afirmou Christino Áureo.

Implantado primeiramente no Noroeste Fluminense, estendido para todas as Regiões do Estado, o Rio Rural conta com recursos do Banco Mundial. São investimentos que vão direto para o bolso do produtor rural para aplicar no aumento da produção e, principalmente, na proteção do meio ambiente. Com os recursos eles são incentivados a utilizar técnicas de manejo sustentáveis. Com isso as matas ciliares estão sendo preservadas, a produção de gado utiliza o manejo de pastejo rotacionado e muitas outras ações. O programa investe também em projetos grupais, que atendem a cooperativas e associação de produtores. No Noroeste do estado, por exemplo, a Cooperativa dos Produtores de Café recebeu investimentos para o beneficiamento da produção. Hoje, o café produzido ali já é referência em qualidade.